Arte, Pensamentos soltos, Refletindo, Semente

Inconstâncias da Vida

Aprendi ao longo da vida, que  tudo tem  seu fim. As vezes tudo terminava tão rápido que eu ficava muito chateada e revoltada com a vida. Por isso foi necessário aprender a desapegar. Mas  acredito que é preciso aprender desapegar sem se tornar um insensível demais, o que eu chamo de “desapego consciente”. É aquela velha história, sempre precisamos buscar o equilíbrio em tudo. Digo isso porque tem gente que se diz desapegada, mas na minha opinião é desapegada em demasia. Não liga para nada, não da importância para nada, não liga para o que os outros sentem, nem dá valor as coisas bonitas que a vida oferece. Ou seja, para esse tipo de pessoa, tanto faz, ou tanto fez, não faz diferença, elas nunca se importam!.

Desapego consciente é aquele desapego que te dá liberdade de seguir em frente sem ficar preso ao que acabou, é um desapego feliz, cheio de complitude e satisfação. Um desapego que vem junto com a gratidão e sentimento de sorte de ter a oportunidade de viver o que passou. Senti isso quando li essa matéria. Que forma linda de ensinar sobre as inconstâncias da vida, porém valorizando o que se viveu em cada momento da construção da mandala. É como dizem os ditados populares, o que importa é o caminho e não a chegada

Segue abaixo a matéria sobre as mandalas.

Imagine que você tenha passado dias ou até mesmo semanas construindo algo extremamente delicado. Se alguém, em um segundo, destruísse o que você criou, você ficaria no mínimo chateado, certo? Não é o caso destes monges tibetanos, que investem horas na criação de mandalas incríveis feitas com areia para depois, arbitrariamente, destruí-las. O objetivo, segundo eles, é enfatizar a inconstância da vida.

As complexas mandalas, chamadas de dul-tson-kyil-khor, utilizam diversas cores de areia, que são adicionadas ao esboço geométrico utilizando um instrumento chamado chak-pur. Como uma espécie de funil metálico, nele está a areia, que é liberada a partir da vibração do material ao entrar em contato com uma varinha, que fica na outra mão do monge. Dessa forma, é possível controlar a areia como se fosse um líquido e, a partir disso, colorir a mandala.

Assim que a arte fica pronta, ela é destruída. Parte da areia é distribuída para o público, enquanto que o restante é liberado no rio mais próximo como forma de, simbolicamente, espalhar a paz e a cura mentalizada pelos monges no mundo. Não tem como discordar: monges são humanos extremamente pacientes e sem apegos materiais!

Confira algumas imagens da criação de mandalas e a espetacular arte final:

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte da Imagem site Hypeness

Fonte: Hypeness.com.br . Para ver a matéria no site é só clicar aqui.😉

Beijos Perfumados

Olivia

Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s